BíbliaNotícias

Educação cristã, riqueza e humildade: quem foi Santo Abraão Kidunaia? | Santo do Dia 16/03

O Santo do dia 16/03, celebramos a vida e a santidade de um dos mais notáveis membros da comunhão dos santos: Santo Abraão Kidunaia. Quem é o santo do dia e qual é a sua história? Neste texto jornalístico, mergulharemos nas páginas da vida e na devoção desse santo ou santa, cujo legado continua a iluminar o caminho da fé para milhões ao redor do mundo. Acompanhe-nos nesta jornada de descoberta e inspiração, enquanto exploramos os feitos e a espiritualidade que tornam Santo Abraão Kidunaia digno de ser lembrado e celebrado neste dia especial.

Santo Abraão Kiduna

O mundo dos santos é repleto de histórias de coragem e fé que nos inspiram e nos motivam a nos tornarmos melhores pessoas. Um desses exemplos nobres é o de Santo Abraão Kiduna, nascido no século 4, na Mesopotâmia. Sua história é um testemunho notável de devoção, coragem, franqueza e amor à Igreja Católica.

Santo Abraão nasceu no seio de uma família nobre e rica. Embora seus pais quisessem que ele se casasse, Abraão decidiu seguir uma vida de solidão e oração, escondendo-se em uma caverna no deserto. Muito de sua vida foi dedicada à oração e ao estudo da Palavra de Deus, e ele viria a ser conhecido como um eremita.

O chamado de Deus e a missão de Santo Abraão

Um dia, o Bispo de Edessa procurou Abraão e pediu-lhe que deixasse sua cela no deserto para ir para a cidade vizinha de Beth-Kiduna. A cidade estava profundamente enraizada na idolatria, e Abraão foi chamado a tentar convertê-la à um verdadeiro culto a Deus. Ele aceitou o chamado e, com a fortuna que herdara de seus pais, construiu uma igreja na cidade.

A coragem de Santo Abraão frente à idolatria

Abraão não tinha medo de se opor aos idólatras de Kiduna. Mesmo sendo atacado e agredido, continuou a pregar aos habitantes a verdadeira fé. O povo, inicialmente resistente, acabou sendo tocado por sua bravura e coragem, e muitos se converteram à fé católica. Depois disso, Abraão decidiu retornar à sua solidão no deserto.

Um tio dedicado e um modelo para todos nós

Sua sobrinha, que havia estado sob seus cuidados, caiu em má companhia e se perdeu na cidade. No entanto, Abraão, com amor e détermination, buscou-a, restaurou-a e levou-a de volta para a solidão do deserto, onde ela passou o resto de seus dias.

Santo Abraão Kiduna morreu aos 70 anos, deixando para trás um legado de fé, bravura e devoção que o torna um modelo para todos nós. Peçamos sua intercessão para que possamos, como ele, enfrentar os desafios da vida com coragem e fidelidade a nossa fé.

Que sua vida nos inspire a sermos corajosos, francos e a amarmos a Igreja Católica, esmagando os ídolos morais da Revolução, internamente em nossas almas e externamente na sociedade.

Lucas Alves

Jornalista e colaborador do Diário da Fé.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo